quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Vídeo revela a existência de um buraco negro no centro da Via Láctea

video
Durante muitos anos, a ciência tentou descobrir o que se escondia no centro da Via Láctea. A nossa galáxia tem um formato espiral, parecido com um redemoinho de estrelas, e por esse motivo, os astrônomos e astrofísicos não conseguiam ver o que havia no centro dela, já que o centro está escondido atrás de uma nuvem de poeira, estrelas e gases. Os cientistas passaram a olhar para o centro da galáxia na extremidade vermelha do espectro da luz, olhando para as ondas de luz de baixa energia que poderiam transpassar pela poeira. Então, eles viram muitas estrelas que orbitam ao redor de algo que não emitia nenhuma luz. Era como se o centro de nossa galáxia fosse apenas um espaço em branco. Não era bem um espaço nulo ou em branco, e sim um buraco negro. Este vídeo não parece mostrar algo realmente significativo, mas é a prova definitiva de que a Via Láctea está em órbita de um maciço buraco negro. Olhando atentamente para essas órbitas é possível perceber uma elipse muito estreita, o que leva a sua estrela rapidamente em torno desse vazio no centro da galáxia. A forma dessa elipse ajudou os cientistas a determinarem o tamanho provável do buraco negro. Além disso, os astrônomos da UCLA também estavam interessados em descobrir a massa deste objeto para certificarem-se de que se tratava de fato de um buraco negro. Baseados nas leis de Kepler, Newton e Leibniz, os cientistas descobriram que a massa dessa estrela possui uma relação matemática com o seu período e distância. Aqui está a equação usada: Mp ^ 2 = a ^ 3. Isto é, para descobrir a massa do objeto que está no centro de nossa galáxia foi preciso saber o período orbital de uma estrela que gira ao seu redor, bem como a distância da estrela ao objeto. Com a ajuda de telescópios de infravermelho foi possível aos astrônomos observar as órbitas dessas estrelas ao redor do comprovado buraco negro. Constatou-se que o buraco negro em questão possui a massa de, provavelmente, 4,1 milhões de massas solares, e 6,2 horas-luz de diâmetro (equivalendo aproximadamente a mesma órbita de Urano em torno do Sol).


Fonte: Jornal Ciência

Nenhum comentário:

Postar um comentário